segunda-feira, 26 de setembro de 2016

O CONDICIONAMENTO DO NOSSO CÉREBRO

Dizem os especialistas que nosso “cérebro é meio burrinho”, tudo que lhe dissermos com repetição ele acaba assimilando como verdadeiro. Ele não sabe diferenciar entre o que é certo e o que não é certo!

Exemplos de como nossos CÉREBROS SÃO CONDICIONADOS.

1) Como você aprendeu as letras e os algarismos?
- E a escrever as primeiras palavras?
- E a datilografar?

2) Como você aprendeu a multiplicar?
- E a tabuada?

3) Como você aprendeu a dirigir o seu carro?
- Hoje, já motorista experiente, você tem a necessidade de olhar para os comandos que deseja acionar?
- Você está dirigindo e surge a necessidade de frear seu carro, você olha para o pedal do freio ou o aciona automaticamente? Passada a frenagem, você olha para o acelerador para retornar o seu curso?

4) Para você, “ideológico” é algo de direita ou de esquerda?
- A primeira palavra, antes de pensar, que lhe veio à memória consciente é aquilo que está na sua memória inconsciente como sendo a resposta verdadeira a esta pergunta. E se esta resposta verdadeira não condisser com o real significado de ideológico que originalmente você sabia bem, temos que sua mente foi condicionada pelos aparelhos ideológicos do grande capital, especialmente, por aquilo que é mostrado e falado rotineiramente na televisão, contudo o efeito mais devastador quem produz são as aparições e falas com conteúdo subliminar. Este é muitíssimo utilizado na publicidade e nos ataques a políticos e partidos que não têm a simpatia do grande capital.

Será que vale a pena trocar a sua condição de CIDADÃO pela reprodução do modo de ser e de pensar que interessa aos que sonegam impostos, corrompem funcionários públicos dos 3 poderes e políticos para terem a facilidade de leis e fiscalizações com o claro propósito de extorquir a População enquanto força de trabalho e de consumo, e depois depositarem o resultado disto tudo em contas secretas em Paraísos Fiscais tutelados pelos Governos dos EUA e GB?

Não se esqueça de um detalhezinho: quem patrocina os meios de comunicação a peso de ouro deseja retorno, seja convencendo você a comprar aquilo de que não necessita, seja convencendo você que você é o culpado, p.ex., pelos desmandos dos políticos eleitos e pelo baixo salário que você recebe.

Perca um pouco do seu precioso tempo para refletir sobre aquilo que você lê, ouve e vê na grande mídia, especialmente na televisão e no rádio.

(O conhecimento é Universal! Ajudem na conscientização positiva de nossas Patrícias e Patrícios. Divulguem, se não ferir sua consciência.)

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

QUANTO TEMPO VOCÊ GANHARIA

Se você precisasse apenas se deslocar em distância de no máximo 10 km para trabalhar?

Qual seria a redução do seu estresse? 

O que isto representaria na sua vida? Quanto tempo você ganharia? 
Quanta qualidade de vida!

Não daria para estudar, fazer algum curso à distância no conforto do seu lar? 

E se para ir à escola e ao médico haveria a mesma facilidade que temos para ir ao banco e ao comércio?

Não te parece que só aí já dá para perceber o que de nós interessa verdadeiramente aos Donos do Grande Capital?

Para tirarem nosso dinheiro - bancos e comércio - facilidades!

Para nos permitirem os sagrados direitos de estudar e trabalhar - profissionalização, especialização, qualidade de vida - todas as dificuldades! 

Quantos carros estariam a menos no trânsito?

Isto significaria menos engarrafamentos, menos estresse, menos violência, menos acidentes, menos feridos, menos paralíticos, menos mortos,... 

MENOS GASTOS PÚBLICOS! 

Mais dinheiro no caixa da Previdência Social! 

Melhores Aposentadorias! 
  
E qual seria a REDUÇÃO do Custo Brasil, do tão propalado Custo Brasil?

Se nesta prática simplória é possível reduzir estresse, violência, poluição e custos, IMAGINA quanto os Donos do Grande Capital ganham com as HORAS QUE VOCÊ PERDE diariamente em intermináveis deslocamentos para trabalhar e estudar! 

Será que quanto mais longe você mora da escola não aumentam as chances de você parar de estudar? 

Será que isto acontece por mero acaso, porque não pode ser diferente?

Ou isto é assim para fazer de você MÃO DE OBRA BARATA e da sua mente um “objeto” facilmente manipulável?

 Reflita!
Posicione-se!
Tome as rédeas da sua vida!
Afinal, a sua vida é sua!

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

AGE, AMIGO VIRTUAL!

As grandes mudanças nem sempre são obtidas em função de grandes, ruidosas, visíveis, bem apresentados modelos, projetos, etc. e etc.

Há tantas coisinhas que nós, POPULAÇÃO, podemos fazer e que fariam muita diferença para todos nós, mesmo que estas melhorias não merecessem a atenção (positiva) da grande mídia.

Certamente todos nós temos em mente alguma pequena mudança que poderia trazer grandes benefícios para o conjunto da população. Apresento duas:

1) Nunca deixar de pesquisar a vida pregressa de nenhum candidato em nenhuma eleição. Feito isto e em igualdade de conceito votar naquele que está fazendo menos propaganda. Candidato que faz muita propaganda tem muito dinheiro para gastar. De onde sai esta dinheirama? Alguém alcança, alguém financia. Este alguém quer retorno, logo, o candidato nesta situação está comprometido com aquele(s) que financiou(aram) sua campanha. E eleito dará sempre prioridade aos interesses do seu financiador e não aos interesses do povo, dos eleitores que nele votaram;

2) Se não comprarmos produtos de empresas que fazem muita propaganda, que gastam muito dinheiro com celebridades para nos induzirem subliminarmente a comprar a sua mercadoria, estaremos ajudando as empresas que assim não agem. Estas em geral são de menor porte, de menor influência. Paralelo a isto estaremos dando aquela mãozinha para as pequenas empresas venderem mais e poderem gerar mais empregos e riqueza local. Outra forma de seleção é verificarmos como as empresas que fazem muita propaganda estão nos sítios da internete que registram maus fornecedores e como elas também estão na justiça por exploração de mão de obra e por fornecimento de produtos defeituosos e mau atendimento aos clientes.

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

o PODER da AÇÃO COMUNITÁRIA

Nem direita nem esquerda, apenas união da população.

O nosso conformismo e a nossa omissão apenas e tão somente adubam a ação do grande e explorador capital. Pois ajudam a manter a alienação e a maquiavélica divisão, nada acrescentando para conscientizar e unir a população, o que é fundamental para alcançarmos a igualdade de oportunidades.

A busca por igualdade de oportunidades deve contar com a concreta participação de todos nós. E isto pode começar com a efetiva participação de todos nas associações comunitárias (ou de moradores) - sempre há uma perto de nós. Se não houver, criemo-la. Se suas lideranças tiverem outras prioridades, tentemos influenciá-las para a saudável mudança. Se não lograrmos êxito, valemo-nos da nossa inconformidade e fundemos outra, nada impede, salvo o nosso comodismo, o nosso conformismo, a nossa conveniente omissão. 

Dentro das associações precisamos apenas nos valer do nosso espírito coletivo e do nosso saber para estabelecermos ações que, somadas às ações de outras associações comunitárias, sejam levadas ao Poder Municipal, Estadual e/ou Federal. Desta forma seremos agentes e beneficiários de tudo aquilo que costumamos discutir com nossos iguais: amigos, amigos virtuais, colegas e familiares.

Assim, nos unindo aos que estão próximos e agindo para que tais associações façam o mesmo com suas similares teremos, com o passar do tempo, a FORÇA e a LEGITIMIDADE para termos em NOSSAS MÃOS as RÉDEAS de NOSSAS VIDAS e estabelecermos um sistema político-econômico e jurídico que atue para proporcionar a igualdade de oportunidades para todos. 

Creia, a ausência destas oportunidades é o que de fato está por detrás da maioria das corriqueiras ações erradas e criminosas que conhecemos e para as quais nos dão mil e uma versões, mas, por conveniência dos senhores da exploração, não nos contam a verdade. 

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

MERITOCRACIA PARA OS POLÍTICOS

Ao político não basta ser ou parecer, ele precisa permanentemente provar que é competente e honesto.

Duas condições poderiam ajudar:

1ª) 50% do seu salário fixo e os outros 50% por mérito. Esta parcela seria depositada em conta e ficaria bloqueada até o final do mandato e a metade deste valor (25% do total) apenas seria entregue a ele caso obtivesse no mínimo 80% de aprovação do eleitorado (Regras a serem fixadas pelos eleitores. Teriam que ser criados mecanismos para estimulá-los a participarem ativamente de suas respectivas associações comunitárias.);

2ª) Caso ao longo do mandato não tiver tido contra si nenhuma acusação de malversação do cargo seria liberada a metade restante (os outros 25%). Em caso de alguma acusação ficaria inelegível até os fatos serem apurados (Desta apuração a População teria pleno direito de participar.) e sua inocência verificada, quando receberia o restante da parcela “por mérito”.

terça-feira, 13 de setembro de 2016

REFORMA POLÍTICA REAL

REFORMA POLÍTICA REAL, concreta, o preto no branco, com comprometimento verdadeiro dos candidatos.
Onde o não cumprimento de parte do eleito do seu cronograma de propostas apresentadas e registrado junto ao TRE implicará na sumária perda do mandato e da elegibilidade por 10 anos.
Quem tem interesse em participar de discussões neste sentido?

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

MAIS UM ESTELIONATO CONTRA AQUELES QUE VIVEM DO SUOR DO SEU PRÓPRIO TRABALHO

Mais uma conspiração se transforma em golpe que virará conspiração contra aqueles que vivem do seu suor.


Quando que, mundo afora, mais especialmente no Brasil, foi deposto algum governante atuando em favor dos interesses das Castas Dominantes? Alguém que atendesse os interesses do grande capital, ou seja, dos donos do grande e explorador poder econômico?

Para ficarmos apenas no Brasil:

1) Em 1943, em meio à 2ª guerra, para a qual foi forçado a enviar cidadãos brasileiros para muitos morrerem e outros para serem doutrinados, o Presidente Getúlio Vargas promulgou a CLT. Dois anos depois, logo após o fim desta guerra, ele foi deposto;

2) Em 1954, o novamente Presidente Getúlio Vargas, contra a vontade das oligarquias que acorreram aos quarteis, de onde saiu um grupo de coronéis a pedir a deposição do Ministro do Trabalho João Goulart, decretou um aumento de 100% para o salário mínimo. Poucos meses depois foi deposto e acabou morto;

3) Em 1963 o Presidente João Goulart decretou o 13º salário, alguns meses depois, em 1º de abril de 1964 foi deposto;

4) Em 1991 o Presidente Collor de Mello, acuado que foi pelos donos da Fiesp, voltou-se ao Governador Leonel Brizola, que foi legalista e republicano como em 1961, e o apoiou. Collor então passou a investir em programas favoráveis aos “descamisados”, como a escola de tempo integral ao estilo dos Ciep’s e na geração de empregos. Não demorou muito para aparecer um factoide, entrevista de seu irmão, que em poucos meses o levou à renúncia face à iminente cassação;

5) Em 2011 o salário mínimo entrou na faixa dos 300 dólares, ultrapassando em muito ao histórico pleito das classes trabalhadoras que o queriam no mínimo em 100 dólares. No 1º trimestre de 2014 o nível de desemprego alcançou os 5%, abaixo do que o capitalismo fático terá sérias dificuldades de sobrevivência, e as micros e pequenas empresas em mais de 70% estavam chegando pelo menos ao segundo aniversário. A partir daí os políticos mandaletes dos donos do grande e explorador poder econômico e do seu grande porta voz, obviamente, apoiados por estes e com o generoso apoio de altos funcionários públicos, foram freneticamente atrás de uma motivação, por ínfima que fosse, que pudesse dar guarida à deposição, ora consumada, da Presidenta Dilma Rousseff. 

São muitas coincidências pendendo sempre para o mesmo estrato social para que alguém que não esteja com seus reflexos condicionados possa acreditar na veracidade do que é divulgado pelos grandes veículos de informação, que funcionam como legítimo porta voz dos seus patrocinadores, os donos do grande e explorador poder econômico.



segunda-feira, 13 de junho de 2016

CADÊ O BRASIL VERDE E AMARELO QUE VESTE C.B.F.?

Com o frio que assola o Sul do Brasil verde e amarelo a mídia tem mostrado muitas ações de solidariedade.

O que sempre se vê em situações como estas são pobres sendo solidários com os totalmente excluídos pelas classes dominantes, exploradoras e opressoras, alcançando àqueles comida e agasalhos.

Não vemos aqueles que aderiram ao verde e amarelo conspirador bancado pela casta dominante ações de solidariedade, salvo, com incentivos dos cofres públicos, quando superfaturam tais ações para conseguirem reduzir ainda mais os impostos que deveriam recolher ao erário, mas que sonegam e levam a paraísos fiscais além-fronteiras.

Isto significa também que as atuais demonstrações públicas de preocupação com o desemprego - por sinal, gerado por ações deliberadas deles mesmos para sabotarem o governo da Presidenta Dilma - são falsas, são mentirosas.

quinta-feira, 30 de julho de 2015

POR QUE A COMIDA É TÃO CARA?



Peço-lhe paciência, mas, por favor, é do seu interesse, do nosso interesse, leia até o fim. Perdoem a extensão, não fui capaz de resumir em poucas linhas. 

Para entendermos porque pagamos tão caro pela nossa comida é necessário que compreendamos o que é escondido de nós pelos formadores de opinião, especialmente, da grande mídia.

Dos aproximadamente 400 milhões de hectares – cerca de 47% de todo território brasileiro - titulados como propriedade rural privada, apenas 60 milhões de hectares – 15% dessas terras - são cultivados. O restante dessas terras está ocioso - cerca de 100 milhões de hectares, i.é, 25% - ou subutilizado - 240 milhões de hectares, i.é, 60%

Há no Brasil aproximadamente 5 milhões de famílias sem terra, contudo, se lhes fosse dado o sagrado direito à oportunidade de trabalhar e produzir, a nossa alimentação custaria bem menos.  

Cerca de 90% das propriedades rurais têm menos de 100 hectares e cerca de 1% delas – com áreas acima de 10.000 ha - correspondem a quase a metade do total da terra própria para a agricultura, equivalente à soma das superfícies de todos os Estados das Regiões Sul e Sudeste mais a do Estado do Mato Grosso do Sul.

Em termos de produção é ainda mais chocante, pois as propriedades com menos de 100 ha respondem por mais da metade da produção agropecuária, ao passo que aquelas acima 10.000 ha e que representam quase metade da terra cultivável do Brasil, respondem por míseros 4% do total desta produção, via de regra destina à exportação.

Ao analisarmos o emprego de mão de obra percebe-se ainda maior disparate, já que as propriedades com menos de 10 ha absorvem mais de 40% da mão de obra e as com área acima de mil hectares empregam cerca de 4% da mão de obra.

Se os 100 milhões de hectares de terras ociosas fossem cultivados da mesma forma que são as propriedades que geram mais da metade da produção agropecuária brasileira, certamente, haveria consideráveis excedentes de comida no Brasil e a preços bem menores daqueles praticados desde há muito. 

As 5 milhões de famílias sem terra teriam, cada uma, sua propriedade com média de 20 ha. E com maior produção no campo, as cidades em função disto também gerariam grande número de novas oportunidades de trabalho, no beneficiamento e comercialização dessa produção rural maior, reduzindo o número de desempregados.

Isto, pelas leis de mercado, sempre tão enaltecidas pela mídia quando convém ao grande capital aumentar os preços do açúcar, do feijão, do trigo, do arroz, da carne, do leite, etc., obrigatoriamente, faria os preços da cesta básica e da alimentação em geral reduzirem. Não haveria argumentos suficientes para convencer a população a pagar, p.ex., por um quilo de feijão R$ 5,00 ou mais.

Com um pouco de autoridade (e coragem) de nossos governantes e a grande mídia se preocupando em veicular também fartamente a verdade, mesmo que possa contrariar aos interesses de seus grandes patrocinadores, os produtores rurais não ficariam no prejuízo. Mas, os grandes atravessadores, que, manipulando as leis de mercado com o silêncio da governabilidade, obtêm lucros inescrupulosos entre o campo e o comércio varejista, deixariam de ganhar tanto quanto ganham com terras ociosas e subutilizadas e milhões de trabalhadores rurais brasileiros impedidos de produzirem.

Falar a favor do Movimento dos Sem-Terra quase sempre enseja críticas. Por favor, pare um minuto para pensar: com mais de um quarto, mais de 25%, da terra agricultável do Brasil ociosa e você entre as 5 milhões de famílias de agricultores sem um pedaço de terra para poder, na pior das hipóteses, plantar alguma coisa para o seu sustento e o de seus filhos, como você se sentiria?

A maioria dos imigrantes que chegaram para colonizar o Brasil, oficialmente, pertencia à mesma casta social – excluídos, escória - das famílias que estão acampadas Brasil a fora à beira de estradas esperando um naco de terra – muitas esperam a vida toda sem concretizarem seu sonho. Nossos antepassados, na maioria, passaram por sofrimentos e constrangimentos idênticos aos da gente que luta por terra hoje no Brasil sob a bandeira do MST. Logo, não julgue essas pessoas pelo que ouve dizer, pelo que leu, pela emoção, ... coloque-se no lugar delas antes de mais nada, depois pense nos seus (nos teus) antepassados e, por fim, no quanto você poderá economizar na sua alimentação se essa gente sofrida puder produzir e colocar mais comida à disposição de nós consumidores.

Henry Wadsworth Longfellow, poeta estadunidense do século19, escreveu “Se pudéssemos ler a história secreta de nossos inimigos, descobriríamos na vida de cada homem tristeza e sofrimento suficientes para desarmar toda a hostilidade.”

Não considere os sem-terra seus inimigos, mas, sim, seus semelhantes.

O “João sem medo” que “prendia e arrebentava” foi, todavia, medroso diante do grande capital para fazer cumprir sua promessa “Plante que o João garante”.

Tomara que nós brasileiros não nos acovardemos e demos um chega para lá nos golpistas que se escondem por trás dos boquirrotos que estão a bradar pelos interesses do grande e explorador capital no Brasil atualmente. Loucos que estão os golpistas para assumirem o poder e acabarem com todas as práticas inclusivas que hoje existem, felizmente e graças aos Governos Lula e Dilma, em nosso país.

Muito obrigado pela paciência e esteja a vontade para opinar, para criticar, para compartilhar!